Toledo

Reitor da PUC-PR visita campus Toledo e fala das mudanças no processo de ensino

Chefe de gabinete da reitoria José Luiz Casela, reitor da PUC-PR Waldemiro Gremski, diretor do campus Toledo Pedro Guena Espinha e assessora de marketing da PUC-PR Cristina Pastore (Foto: Franciele Mota)

Nos dias oito e nove de agosto o reitor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) Waldemiro Gremski visitou o campus da Universidade em Toledo. Na ocasião ele participou de diálogos com todos os segmentos da instituição, em reuniões como os gestores, professores e coordenadores de curso, lideranças estudantis, colaboradores e os acadêmicos.

O objetivo da visita foi conhecer o andamento da instituição, ouvir propostas e mostrar a consolidação do campus em vários segmentos. “Temos um corpo docente e gestores extremamente comprometidos. É uma visita importante nos aspecto de políticas futuras”.

Essa é a primeira visita dele ao campus de Toledo como reitor. Em outras oportunidades Gremski veio como pró-reitor de pesquisa e pós-graduação. A última visita foi cerca de cinco anos. O reitor destaca que nesse período o campus de Toledo e a PUC tiveram muitas mudanças. Foi um período de grandes discussões e uma delas foi a adoção de mudanças no processo de ensino.

 

ENSINO – Gremski lembra que o advento das novas tecnologias mudou a forma do aluno buscar mais conhecimento. O processo é conhecido como adoção de metodologias ativas. “Com a nova tecnologia todo mundo tem acesso a qualquer conhecimento. Continuar ensinando do jeito antigo com aluno passivo e o professor sendo o grande astro do processo, não poderia continuar mais. Na verdade, o professor é indispensável mas o aluno tem que ser um membro ativo da sua formação”.

O diretor da PUC-PR campus Toledo Pedro Guena Espinha enfatiza alguns avanços da instituição nos últimos cinco anos, como a consolidação de algumas iniciativas no campus na área de empreendedorismo, a consolidação do portfólio de cursos e os resultados visíveis através das provas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Espinha destaca ainda o índice de empregabilidade dos cursos ofertados no campus, o acréscimo da atuação da PUC na região além da consolidação dos cursos EAD. “Temos também um aumento da quantidade de estudantes fazendo intercâmbio, então a internacionalização nesse processo de formação é um elemento muito importante que faz com que o estudante tenha esses resultados”.

O reitor Gremski pontua que internacionalização do ensino é indispensável nos dias atuais. “Formar o aluno dentro do seu cantinho, no campus não é tudo. Hoje é necessário e fundamental que ele saia e faça um intercâmbio e conheça novos horizontes, tanto que inauguramos um campus da PUC na Itália, em Florença”, complementa ao cita um investimento para que a Universidade seja bilíngue, ou trilíngue.

 

SERVIÇO – O reitor das PUC-PR Waldemiro Gremski cita também a relação da Universidade com a comunidade. Ele reforça que a PUC existe para servir a sociedade. “O conhecimento que produzimos, as pessoa que nós formamos, tudo isso tem que ser um reflexo do que essa sociedade precisa. Nós temos que ser o espelho do que as indústrias locais, as cooperativas, a sociedade com os diferentes segmentos precisam. Nós estamos a serviço deles”, afirma.

Ele lembra da preocupação da Universidade em formar cidadãos éticos e fazer a diferença na comunidade em que está inserida. E isso acontece com o Projeto Comunitário, disciplina sem custo ao aluno onde ele dedica 36 horas por semestre em alguma atividade social diferente de sua área de estudo.